A tecnologia aplicada no setor público é uma realidade que ainda dá pequenos passos no Brasil. Apesar das promessas de maior investimento, é fato que o mercado precisa de mais maturidade para que a aplicação dessas ferramentas digitais na gestão pública aconteça de maneira mais eficiente, beneficiando não só os servidores que atuam diretamente prestando serviços, mas também a população como um todo.

A ideia deste artigo é justamente explicar quais são as principais ferramentas digitais na gestão pública e os benefícios que elas trazem para o contexto tanto interno quanto externo de uma repartição pública. Continue a leitura para saber mais!

Algumas ferramentas digitais na gestão pública

O uso de ferramentas digitais ajuda na aproximação entre o cidadão e o serviço público, garantindo agilidade, transparência e também um maior planejamento de investimentos. Por meio delas, o cidadão pode fiscalizar os serviços e saber o que é feito com o dinheiro, podendo cobrar mais ativamente soluções do poder público. Algumas ferramentas auxiliam especialmente a potencializar os resultados do trabalho dos servidores. Conheça as principais a seguir!

Gestão de convênios

Um sistema de gestão de convênios permite realizar atos e estabelecer procedimentos ligados à formalização, execução, acompanhamento destes. Além disso, é possível acompanhar prestação de contas e dados sobre as contas dos convênios, repasses e termos de parceria celebrados entre o poder público e as empresas que prestarão os serviços.

Assim, os procedimentos ligados à produção de contas, bem como ao controle e transparência de convênios, contratos e termos da parceria, são celebrados com maior eficácia.

Gestão de processos digitais

A ideia da ferramenta de gestão de processos digitais é automatizar as tarefas ligadas à administração pública, assegurando que os documentos sejam assinados de maneira automática e ágil sem nos esquecer da segurança.

O objetivo maior do sistema é ser simples e também intuitivo, garantindo não só a autenticidade jurídica, mas também a transparência necessária a todos os processos que estão em poder público.

Gestão de programas habitacionais

O sistema de gestão de programas habitacionais funciona como uma plataforma que reúne todas as atividades ligadas à gestão de programas habitacionais. A tecnologia faz a automatização da análise, mas também classifica as famílias cadastradas tendo como base critérios definidos na legislação, sempre focados na transparência e integridade da seleção.

Gestão de recursos públicos

A gestão de recursos públicos também é outra necessidade ligada às ferramentas digitais disponíveis. Além de manter a conformidade regulatória, a ferramenta permite seguir as regras do processo licitatório, garantindo a correta aplicação dos recursos.

A ideia é que o dinheiro disponível seja utilizado para potencializar os serviços públicos oferecidos à população, sempre focando na economia e qualidade de tais contratos.

3 vantagens da utilização de ferramentas digitais

Primeiramente, é preciso ter em mente que a tecnologia é um meio para resolver um problema de negócio. Caso contrário, ela se torna só um custo para os tomadores de decisão. A mudança desse pensamento é o que trará as vantagens esperadas das ferramentas digitais na gestão pública. Confira mais sobre elas na sequência.

1. Maior aderência à transformação digital

A transformação digital é um assunto bastante discutido na atualidade. Em diversas nações, os governos já trabalham nesse sentido há alguns anos. Por sua vez, o Brasil ainda dá passos lentos.

De acordo com Stéfano Santos, gerente de TI na Digix, a ideia da transformação aplicada ao setor público é proporcionar experiências diferenciadas por meio da tecnologia, levando para esses ambientes segurança e rapidez. Ele cita que a tecnologia tem o poder de transformar a maneira como o servidor público faz seu trabalho, trazendo melhores resultados com menor esforço.

“A tecnologia pode proporcionar rapidez, segurança, economia de tempo e recursos. Neste momento em que estamos passando por dificuldades econômicas em todo o setor público no país, me parece uma boa ideia um olhar especial para isso”, destaca Santos.

Ademais, há de se ressaltar o fato de a transformação digital impulsionar a produtividade no setor público, visto que os servidores precisam trabalhar sob a perspectiva de aprendizado e trocas constantes para se atualizarem de acordo com as demandas do público. Afinal, as pessoas já estão familiarizadas com os meios digitais e nada melhor do que adaptar-se às demandas delas.

2. Manutenção da governança

Quase todas as ações executadas dentro de um órgão público estão previstas em algum tipo de regulamentação, que, por sua vez, visa ao emprego correto de recurso público em prol da sociedade. Quando não são cumpridas essas regras, multas, sanções e até mesmo ações penais podem ser executadas. Gerir tudo isso sem processos claros, seguros e auditáveis é impossível.

A tecnologia vem justamente como aliada do processo. “Limites, ações e todo tipo de regra podem ser controlados, por exemplo, por meio de um software, proporcionando segurança aos próprios servidores públicos e gestores, os quais podem ser responsabilizados pelo descumprimento das regras”, destaca o gerente de TI. A manutenção da governança também está atrelada ao Decreto n. 9203/17:

  • direcionamento de ações para a busca de resultados para a sociedade;
  • promoção da simplicidade administrativa, focando na modernização, bem como integração dos serviços públicos;
  • monitoramento da performance e avaliação dos resultados de políticas públicas;
  • incorporação de padrões elevados na conduta administrativa pública que orientem os servidores a fim de que atuem de maneira consonante com as suas funções.

3. Automatização de processos

Um dos grandes desafios na área pública é que grande parte do trabalho ainda é feito manualmente. Além de estarem mais suscetíveis a erros, isso causa uma grande morosidade na execução das tarefas, exigindo um grande número de pessoas para operacionalizar o trabalho, gerando um alto custo com mão de obra.

As ferramentas digitais na gestão pública vêm justamente para automatizar parte do trabalho, facilitando o dia a dia profissional. De acordo com Santos, as tecnologias que empregam a Inteligência Artificial, por exemplo, permitem uma resposta rápida a mudanças, atendimento ao público com mais eficiência, sem contar a análise de uma grande quantidade de dados, ajudando os gestores públicos nas tomadas de decisão.

Para poder aproveitar todas essas vantagens, é necessário que a instituição pública seja implementada com atenção. Portanto, a principal preocupação deve ser com o envolvimento de todos os interessados, que se beneficiarão com o uso da tecnologia no setor público.

Isso inclui servidores públicos, gestores, fornecedores, líderes de governo e também a população. Afinal, os envolvidos serão grandes promotores do emprego da tecnologia, reduzindo as chances de resistência e possíveis erros na descoberta dos principais problemas de negócio que a tecnologia ajudará a resolver.

Gostou deste post? Se o setor público para o qual você trabalha ainda não aproveita esses benefícios, entre em contato conosco e descubra como as nossas soluções podem ajudá-lo!