A tecnologia da informação para a gestão pública tem modificado a forma como o governo interage com a população. Além disso, ferramentas avançadas de gerenciamento permitem agilizar os processos do setor, aprimorar o uso dos recursos financeiros e facilitar a vida de gestores e servidores públicos.

Para você saber como isso é possível, separamos neste post 9 usos da tecnologia da informação que tem se tornado realidade nas diversas áreas do governo em todo o país. Confira!

1. Comunicação entre poder público e sociedade civil

A comunicação é a chave para qualquer relacionamento, e isso não é diferente quando nos referimos à relação entre o poder público e a sociedade civil. Essa interação se faz necessária em diversos momentos.

Os cidadãos têm buscado canais mais eficientes para serem ouvidos por suas autoridades a fim de fazer reclamações, registrar denúncias, expressar opiniões ou fazer requerimentos.

Apesar de serem processos simples, a burocracia pode travar esse fluxo de informações. Além disso, quando a comunicação depende unicamente do recurso humano para coletar e analisar os dados transmitidos para, a partir daí, serem tomadas as devidas ações, são impostos limites óbvios no potencial operacional que a instituição dispõe para o atendimento.

A tecnologia, por sua vez, rompe essas barreiras, fornecendo ferramentas que automatizam a interação com a população e desburocratizam os processos internos do governo. Softwares de automação voltados para o poder público também estão aptos para melhorar o fluxo de informação entre Estado e sociedade civil.

Solicitação de informações, acompanhamento de demandas e registro de denúncias por meio de chamados online são apenas algumas das tarefas que podem ser realizadas por meio de ferramentas digitais.

2. Gestão de convênios

Os convênios são usados para intermediar a relação entre o setor público e uma entidade privada sem fins lucrativos. Esse relacionamento tem por objetivo a prestação de serviços públicos, como obras, manutenção, gerenciamento de projetos nas áreas de educação, saúde e outros.

Essa estratégia tem mostrado ser uma ótima alternativa para aprimorar a qualidade e a extensão do atendimento dos serviços oferecidos pelo governo.

Para facilitar a gestão de convênios, a entidade pública poderá utilizar um software como o Nexxus para traçar os planos de trabalho a serem realizados e gerenciar os registros relacionados aos convênios. Essa ferramenta eleva a eficiência e a transparência no uso dos recursos públicos.

3. Assinatura digital

Com o intuito de modernizar a máquina pública, agilizar os sistemas e manter a integridade dos registros e o acesso a eles, os governos das diversas esferas migraram muitos processos e documentos para o formato digital.

Diante dessa tendência, surgiram algumas tecnologias para garantir a autenticidade e a validade jurídica dos arquivos, algo que é feito no âmbito físico por meio de assinaturas, selos e carimbos, por exemplo.

Uma dessas ferramentas é a assinatura digital. O Papel Zero, por exemplo, é um software que fornece esse recurso e permite minimizar o uso de documentos em papel sujeitos a perdas e deterioração.

Como os registros são armazenados em um formato digital, validados eletronicamente, a troca de informações entre os órgãos públicos (como entre as secretarias de um município) torna-se mais rápida e simplificada.

O Papel Zero permite que os dirigentes assinem e forneçam um certificado digital a processos e documentos para a liberação de recursos e de execução de atividades, por exemplo.

4. Big Data e análise de dados

Existe hoje um grande volume de dados que constitui uma fonte valiosa de informações para a tomada de decisões. Embora geralmente seja um assunto direcionado para as grandes empresas, o setor público também pode usufruir desse recurso.

Os dirigentes podem lançar mão de dados oriundos do mercado, da sociedade e do próprio governo para direcionar os investimentos de modo mais estratégico, conforme as necessidades da população.

Uma solução de TI pode facilitar o levantamento, a análise e o cruzamento de dados, auxiliando os gestores em decisões mais acertadas e mais condizentes com as reais necessidades dos cidadãos.

Um bom exemplo é o que aconteceu na Noruega. O governo utilizou tecnologias de análise para cruzar informações dos bancos de dados públicos a respeito de pensionistas e aposentados e, então, projetar aprimoramentos no sistema de saúde.

5. Cloud Computing

Cloud Computing, ou computação em nuvem, refere-se ao armazenamento de dados e processamento de informações em servidores contratados, fora das dependências da instituição. Isso se torna cada vez mais necessário na medida em que o volume de dados aumenta exponencialmente a cada dia.

Entre os benefícios que os órgãos públicos podem perceber com a adoção dessa tecnologia, estão:

  • economia de escala: eliminam a necessidade de manter ou expandir sua infraestrutura de TI;
  • redução da carga de gestão: por reduzir a infraestrutura interna de TI, focam-se nos processos internos;
  • modernização: contam sempre com as novas tecnologias e os sistemas de processamento mais adequados;
  • acessibilidade: possibilitam que as informações estejam disponíveis a qualquer usuário autorizado.

6. Gestão da merenda escolar

A Lei nº 11.947, de junho de 2009, garantiu aos alunos da educação básica a oferta de uma alimentação saudável e adequada no ambiente escolar. Com esse objetivo, foi criado o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), instituído pelo Governo Federal.

A iniciativa visa contribuir para a aprendizagem, o desenvolvimento e a formação de hábitos alimentares de crianças e adolescentes da rede pública de ensino e de instituições comunitárias e filantrópicas.

Mais uma vez, a tecnologia da informação para a gestão pública visa ao auxílio dos dirigentes. Existem no mercado diversos softwares de automação que facilitam a gestão de todas as etapas do processo de distribuição dos recursos do PNAE, como o Cheff Escolar.

Entre as funções fornecidas pela solução tecnológica, encontramos:

  • preparação e apoio nas licitações;
  • conferência de notas fiscais;
  • cadastro de fornecedores;
  • gerenciamento de estoque;
  • definição de cardápio das merendas em conformidade com as regras do PNAE.

7. Governo mobile

Nos tempos atuais, é fundamental que o poder público flexibilize e expanda sua atuação, atingindo o maior número de pessoas possível. Ao investir em canais mobile, o Estado torna-se mais acessível à população.

Em consonância com essa tendência, surgiu o conceito de governo móvel (M-gov), ou governo eletrônico (e-gov), que abrange um conjunto de serviços públicos oferecidos aos cidadãos por meio de plataformas móveis (smartphones e tablets). Essa iniciativa permite às autoridades maior transparência na prestação de contas e facilidade de acesso às informações por parte da população.

Um exemplo prático é o programa “Porto Alegre Móvel”. A plataforma mobile implementada pela capital gaúcha facilitou a vida dos seus munícipes, com serviços relacionados à consulta a processos, IPTU, previsão do tempo, notícias, contas de água, autenticidade de certidões, entre outros — tudo na palma da mão. Outras iniciativas similares se repetem em todo o país.

8. Gestão hospitalar

A área da saúde também pode ser muito beneficiada pela tecnologia da informação para a gestão pública. Sistemas de gestão hospitalar, por exemplo, auxiliam em tarefas de controle de internações, agendamento de consultas e exames, gerenciamento de laboratórios, controle de estoque de medicamentos e prestação de contas ao Sistema Único de Saúde (SUS).

Por meio dessa ferramenta, é possível integrar as informações de diversos hospitais do governo e economizar recursos por meio de registros digitais, como o prontuário eletrônico.

9. Inquérito policial

A investigação de infrações penais envolve processos que podem tramitar entre diversos órgãos, como Polícia Civil, Secretaria de Administração Penitenciária e Tribunal de Justiça.

As soluções de TI vêm no sentido de trazer maior agilidade na lavratura dos autos, facilitando a integração das informações entre as instituições competentes e fortalecendo a segurança dos dados.

Um exemplo de sucesso foi o Projeto Inquérito Policial Eletrônico, desenvolvido pela Prodesp. O sistema permitiu eliminar o papel em todas as etapas do inquérito, desde a instauração do inquérito pela Polícia Civil até o envio do processo ao Tribunal de Justiça.

Gostou de descobrir como a tecnologia da informação para a gestão pública tem otimizado os processos do setor? Então não fique de fora dos nossos próximos artigos e assine nossa newsletter! E se quiser saber mais sobre assinaturas eletrônicas e como elas otimizam processos, faça aqui o download de um material super completo sobre o assunto.